skip to Main Content

 Existe uma ordem cronológia de como se faz a análise de concorrência. O processo permite aos gestores obterem uma melhor informação e tomarem decisões baseadas em factos e não em opiniões.

COMO FAZEMOS A ANÁLISE DE CONCORRENCIA PARA O MARKETING

#1 FAZER O ENQUADRAMENTO POSICIONAL E ESTRATÉGICO DO NEGÓCIO

Para começar qualquer negócio, começamos desde do ABC como a Estratégia Genérica de Porter, como iniciar a jornada de compreensão da análise competitiva:

estrategia generica de porter para analise de concorrencia

 

Esta é uma matriz de 1980 que ajuda a compreender. Hoje, com os Business Models, Blue Oceans, Design Thinking, o mundo é bem mais complexo. Como a matéria é muita, tenha a mente aberta.

Este enquadramento, a forma como o empresário estrutura a sua estratégia são extramenente importantes para todo o trabalho futuro. Sem isto, não há qualidade.

#2 DEFINIR O FORMATO COMPARATIVO  DA ANÁLISE DE CONCORRÊNCIA

Da seguinte tabela percebe-se perfeitamente o que se pretende. Contudo, a dificuldade é precisamente determinar quais são os fatores e os que são os concorrentes. E depois os fatores de concorrência têm que ter relevancia para o cliente do negócio, os inquéritos têm que ser cuidadosamente preparados.

Existem várias  perspectivas a serem analisadas, vejamos alguns exemplos : 

  • branding : medir a percepção das marcas nos mercados onde concorre, é um processo que é efetuado através de entrevistas diretas ou de inquéritos online.
  • presença : em termos de colocação de meios e campanhas, o que é que a sua concorrência está a fazer. Existem várias ferramentas, por exemplo no Social é utilizado o RivalIQ. É extremamente importante saber como se posiciona na Google, e quais as posições por palavra chave.
  • proposta de valor : vigiar quais são os valores que cada serviço ou  produto se propõe no mercado.
  • execução operacional : qual é a rapidez de execução da empresa, qualidade, stocks, produtividade dos trabalhadores. No final é importante saber se a concorrência entrega aquilo que diz entregar.
  • preço: é obvio que tem que conhecer a estratégia de preço da sua concorrência.
  • força de vendas : quais são os processos de vendas da empresa, qual a taxa de sucesso comercial.
  • inovação : quais são as inovações que a empresa tem efectuado.
  • aparência: a psicologia das cores e entre outros, até a roupa que os funcionarios vestem conta, são as mensagens subliminares que têm que ser estudadas.
  • crescimento de mercado: tudo é relativa ao tipo de mercado, o fenómeno das máquinas digitais de fita versus máquinas digitais e agora smartphones com capacidade de 20 MPx é um exemplo.
  • visão: existe missão e visão, qual a consciência no enquadramento da empresa.

#3 QUEM SÃO OS VERDADEIROS CONCORRENTES

concorrentes que são complementares. Vejamos os móveis de Paços de Ferreira. Se apenas existisse uma fábrica, uma única fábrica teria mais dificuldades em projetar a sua imagem.

Outro fator que pode confundir os verdadeiros concorrentes é a internacionalização.

O posicionamento, quota de mercado e o mercado, são algumas das formas de identificar os concorrentes.

No âmbito local, por exemplo na instalação de aluminios, é relativamente fácil de saber quem é que os clientes vão ligar. Mas noutro canal como por exemplo nos suplementos alimentares, o ecommerce tem-se assumido como concorrente.

Imagem relacionada

#4 AVALIAR QUAIS SÃO OS OBJETIVOS DA CONCORRÊNCIA

Num contexto de marca de computadores, quando a IBM deixou de querer ser um dos principais players no fabrico de computadores, deixou de fazer sentido vigiar as iniciativas. É uma questão de vigiar a intenção, a estratégia e objetivos, o que requer bastante sensibilidade e know how.

 


O processo

O “ASSESSMENT”  DOS FATORES DE ANÁLISE CONCORRÊNCIA

A fase do Analytics, quer qualitativo quer quantitativo. Os processos podem ser os mais diversos e devem ser preparados por profissionais independentes à Empresa.

Por isso, nem sequer informamos os nossos entrevistadores quem é o cliente final, para evitar a tentação de agradar.

Exemplo de análise competitiva qualitativa:

Resultado de imagem para COMPETITIVE ANALYSIS


ANALISE DOS RESULTADOS DE CONCORRÊNCIA

É nesta fase que se prepara a grelha competitiva, e se faz a interpretação da análise concorrência. Por exemplo, o João tem 1200 fans, mas tem pouca interacção, enquanto a Maria tem metade dos fans, mas 50x mais interacções. Ao colocar num primeiro plano o número de fans, iria dar a ideia errada que o João tenha mais notoriedade.


MODELO BASE FUNDAMENTAL PARA GESTORES

Entendemos este modelo, onde a análise concorrência é necessária, como base para qualquer Gestor que preze chamar como tal. Ele deve ter a noção das 3 dimensões básicas do negócio: suas capacidades, a da concorrência e a necessidade do mercado.

compreender plano de marketing

MODELOS DE TOMADA DE DECISÃO ESTRATÉGICA E TÁTICAS

Consideramos fazer parte da análise concorrência as tomadas de decisão de investimento ou não. O exemplo clássico, foi a da famosa marca chocolate, que não investiu $500.000, permitindo a concorrência roubar a quota de mercado de $2.000.000, porque apenas considerou o retorno direto.

Modelos Complexos de Concorrência

  • Estratégias dominantes
  • Simulação de decisão
  • Indução Regressiva
  • Ameaças Crediveis
  • Compromisso de agressão
  • Complementaridades
  • Investigação e Desenvolvimento
  • Design

ANÁLISE CONCORRÊNCIA FINANCEIRA PARA VALIDAR A CAPACIDADE DOS CONCORRENTES

Ir direito à questão, não estamos a falar do BES, adoptou uma estratégia falhada e “alegadamente” teve um comportamento de divulgação ilegal para esconder o falhanço. O financeiro deve reflectir os resultados da estratégia: ver crescimento e lucros.

Através dos relatórios da Rácius e da eInforma, consegue saber qual o desempenho económico-financeiro da empresa. O facto de as empresas serem obrigadas a apresentarem as contas de acordo com os mesmo critérios.

 


ARTIGOS RELACIONADOS

Serviço Good Intelligence
Análise da Concorrência para Pequenas Empresas
O que fazemos:
Análise da Concorrência para Pequenas Empresas
Entidade
Good Intelligence,
Onde fazemos:
Portugal
Descrição:
Estar atento à competitividade, no mínimo para não ser esmagado, ou decidir onde investir, como se posicionar é o que gestores a sério normalmente fazem. A análise de concorrência, de mercado, da indústria são a informação necessária.
Back To Top